O PIÁ, Programa de Iniciação Artística é um programa sob a gestão da Secretaria Municipal de Cultura com parceria orçamentária da Secretaria Municipal de Educação, oferecido gratuitamente para crianças e adolescentes de 05 a 14 anos, com encontros semanais de 2 para crianças de 5 a 7 anos e 3 horas para as faixas etárias de 8 a 10 anos e 11 a 14 anos.

Ao longo de suas mais de dez edições, o Piá vem amadurecendo como programa público para a infância e adolescência e a cada ano mostra que têm todos os quesitos para se tornar uma política pública para a cidade de São Paulo, efetivando de forma corajosa e inovadora o que propugnam as seguintes leis:

Lei federal nº 8.069/90, que cria o Estatuto da Criança e Adolescente – ECA

Art 4º. É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação , à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.”

Lei federal nº 13257/16, nos seus artigos:

Art 15º: “As políticas públicas criarão condições e meios para que, desde a primeira infância, a criança tenha acesso à produção cultural e seja reconhecida como produtora de cultura.”

Art. 17º: “A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios deverão organizar e estimular a criação de espaços lúdicos que propiciem o bem-estar, o brincar e o exercício da criatividade em locais públicos e privados onde haja circulação de criança”.

Fotos: Rodrigo Munhoz

O Piá vem construindo durante suas edições, uma metodologia com princípios e valores voltada para um olhar plural para a(s) infância(s) e adolescência(s), tendo como suporte pedagógico a arte e o brincar, mediada por Artistas com diferentes e híbridas trajetórias. Como afirma o sociológico Edgar Morin “a humanidade precisa de mentes mais abertas, escutas mais sensíveis, pessoas responsáveis e comprometidas com a transformação de si e do mundo”.

Neste sentido o Piá colabora na construção de futuros cidadãos críticos, solidários e propositivos, abrindo espaços dialógicos, criativos e reflexivos, para que cada individuo possa se expressar. Como na visão de Fayga, onde “O criar só pode ser visto num sentido global, como um agir integrado em um viver humano.” (OSTROWER, FAYGA. Criatividade e Processo de Criação Editora Vozes. RJ – 1977).

Inspirado na EMIA, Escola Municipal de Iniciação Artística, atua de forma descentralizada em CEUS, Bibliotecas, Centros Culturais, Teatros e Casas de Cultura. E foi Junto a todos os Artistas que participaram de suas edições que foram construídos:

 

Valores

ÉTICA

O respeito e o diálogo entre todos os participantes e com caráter público do programa. 

PROSPECÇÃO

O entendimento de que todas as ações do programa são precedidas por reflexões e aprofundamentos. 

TRANSVERSALIDADE  E  PLURALIDADE

O entendimento de que todas as ações do programa são precedidas por reflexões e aprofundamentos. 

Objetivos

VALORIZAR

as formas próprias da infância e adolescência em seus processos de criação e expressão.

PROPICIAR

experiências e aprendizados estéticos de forma dialógica entre diversos saberes.

DEMOCRATIZAR

o acesso de crianças e adolescentes a bens culturais e artísticos, contribuindo para a construção da cidadania cultural.

PROMOVER

a sociabilidade e a integração da criança e adolescente na família, comunidade, na escola e em outros espaços públicos.

Princípios

LUDICIDADE

A relevância da brincadeira e do jogo, nas maneiras de ser e estar no mundo, e em relação ao outro.

EXPERIMENTAÇÃO

A valorização da descoberta de si e do mundo, promovida pela experiência estética e seus contexto de expressão, repertórios e vivências.

PROCESSO CRIATIVO

A provocação dos acontecimentos criativos relacionando arte, infância e cotidiano, como parte de um processo dinâmico, em constante transformação, de sensibilidade e acolhimento.

TEMPORALIDADES

A percepção dos ritmos, pulsações e estados de cada encontro artístico-pedagógico, com o cuidado em preservar os tempos próprios da criança e do adolescente.

PERTENCIMENTO

A participação ativa e a apropriação da vivência de processos artísticos no espaço público por meio da fruição de bens simbólicos e culturais.

INTERLINGUAGEM

A priorização da experimentação estética de modo transversal, híbrido e relacional, possibilitando novos caminhos de fruição e criação artística.

AÇÕES COMPARTILHADAS

A criação de agenciamentos em diferentes instâncias, que visam colocar em contato experiências geradoras de processos e não apenas de produtos culturais.

Contato

Telefone: (11) 3397-0165 

Horário de atendimento:

segunda a sexta-feira, das 9h às 18h.

Localização 

Supervisão de Formação Cultural

Secretaria Municipal de Cultura

Rua Líbero Badaró 340 – Edifício Sampaio Moreira 

Centro Histórico de São Paulo, São Paulo – SP

CEP 01010-010 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support